Abril de 2003 - Ano II - Número 6
Capa
Perfil: Vinte e cinco anos de fotojornalismo
De tirar o chapéu...em sinal de respeito
FotoRio2003
Mudança na ponta do lápis
Edições Anteriores
Notas

 

 
Matéria
  FotoRio2003  
 

O Rio de Janeiro continua lindo... e visual. Não exatamente igual há 163 anos quando a primeira imagem produzida por um daguerreótipo ao Sul do Equador foi feita na cidade pelo abade francês Luís Compte para o então jovem imperador Dom Pedro II, apenas cinco meses depois do anúncio da invenção da fotografia em Paris, por Daguerre. De lá pra cá, a vocação do Rio para a fotografia foi se revelando natural.
Por esta razão, o Rio é a partir deste ano a sede do Encontro Internacional de Fotografia, iniciado no mês de junho com diversos eventos seguindo até agosto. Confira www.fotorio.fot.br. Foram 95 exposições em 58 museus, centros culturais, galerias comerciais e espaços alternativos de mostra, além de oficinas, projeções, instalações, intervenções urbanas, cursos, palestras, mesas-redondas e leitura de portfólios. Em cada exposição, foi marcado um dia para o encontro com o autor, ou autores. O evento, que irá acontecer de dois em dois anos, cumpriu seu objetivo que é valorizar a fotografia, abrindo as portas dos grandes acervos e coleções, públicas e privadas, e à produção fotográfica contemporânea brasileira e estrangeira, da fotografia autoral ao fotojornalismo. O evento este ano contou com o apoio institucional da Universidade Candido Mendes, apoio dos Correios, apoio cultural do Consulado Geral da França, da Fundação Suíça para Cultura, Studio Oficina, Fink e Atlantis.
No Rio de Janeiro estão as mais importantes coleções fotográficas, parte importante da memória fotográfica brasileira. Na Biblioteca Nacional se encontra a Coleção Tereza Cristina, iniciada pelo imperador Pedro II e que em homenagem a sua esposa, a imperatriz, batizou-a com seu nome. O acervo é parte da história da Fotografia.
O Encontro Internacional de Fotografia é um espaço de promoção da cultura visual, marcando o papel importante da fotografia na comunicação e na vida social contemporâneas. O Encontro inseriu a cidade no circuito internacional de fotografia e apresentou o Rio como uma das mais importantes referência da fotografia no continente. O FotoRio iniciou sua história no calendário cultural da cidade integrado ao Festival da Luz, rede criada por fotógrafos, colecionadores, estudiosos da fotografia e instituições culturais em diversos países, que conta com outros 21 eventos realizados pelas principais cidades do mundo na mesma época, entre eles “Mois de la Photo” (Paris), “Encuentros Abiertos de Fotografia” (Bueno Aires- Argentina), Fotofeste (Houston-EUA), PhotoEspaña (Madrid-Espanha), Fotosptiembre (México). No Brasil, o evento é coordenado por Milton Guran, fotojornalista, autor de livros, mestre em Comunicação Social, doutor em Antropologia Social e Etnologia e atualmente professor do Instituto de Humanidades da Universidade Cândido Mendes, no Rio.
Algumas imagens foram exibidas ao público pela primeira vez, como é o caso de parte do Acervo Fotográfico da Comissão Rondon, que fez contatos com grupos indígenas entre 1900 e 1922, e outras são registros raros, como os feitos por Augusto Malta sobre as praças do Rio no início do século XX, cenas do interior fluminense dos anos 30 e fotos do Rio, no período de 1940 a 1960. O acervo da Fundação PROA mostra a Argentina do século XIX, a capital Buenos Aires e outras regiões do país entre 1867 e 1883.
A exposição coletiva Nossa Gente, que inaugurou a primeira galeria de fotos do Brasil, foi reeditada pela Funarte, junto com a primeira exposição de Sebastião Salgado, que participou do FotoRio2003 representando o Brasil na coletiva Índia – México, Vientos Paralelos, com os fotógrafos Graciela Iturbide (México) e Raghu Raí (Índia).
A Arfoc-Rio integrou a FotoRio2003 com projeções no início da noite em um telão na Cinelândia, movimentada praça do Centro da Cidade. Os temas escolhidos refletem a alma da cidade e do País. E pretendem mostrar que a fotografia, além de um meio de expressão, é um registro da história, possuindo importante papel social. Dar visibilidade aqueles que são excluídos socialmente, é ajudar a construir um Brasil melhor, e esse é o objetivo da Associação e dos fotojornalistas. A mostra fotográfica foi coordenada por Alcyr Cavalcanti, secretário-geral da Arfoc-Rio e reuniu trabalhos dos mais expressivos nomes do fotojornalismo carioca. Com apoio do Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro, foram mostrados: Política e eleições 2002; Evandro Teixeira – Profissão fotógrafo; O Rio de Janeiro – Na visão de seus fotógrafos; Escola de Samba – Alegria de viver e Brasil em todas as Copas . Dentro da programação, a Arfoc-Rio promoveu o debate “Fotojornalismo-Conquista, Desafios e Mercado de Trabalho”, com os profissionais de Fotografia Alaor Filho (editor da Agência Estado), Custódio Coimbra (Jornal O Globo), Ana Lúcia (ex-editora do Jornal do Brasil), Milton Guran (coordenador do FotoRio2003) e Rogério Reis (Agência Tyba) no auditório do Sindicato dos Jornalistas.

O início da arte de fotografar
Foi aqui no Brasil que pela primeira vez foi usado o termo fotografia, por Hercule Florence, francês radicado em Campinas, São Paulo, e que fez pesquisas sobre a arte de fotografar no mesmo período que Daguerre, tendo tanta importância quanto o francês.
O daguerreótipo é uma imagem realizada pela impressão da luz sobre uma placa de cobre revestida de camada de prata, bem polida, e depois sensibilizada com vapor de iodo e bromo para ser exposta à luz. A imagem é revelada em vapor de mercúrio e fixada com tiosulfato de sódio – se fixada em ouro, tem mais durabilidade. Essa imagem é um positivo direto e aparece invertida em relação ao objeto fotografado. A superfície reluzente da placa mostra, dependendo da incidência da luz, ora uma imagem positiva ora negativa. É um exemplar único e geralmente guardado com requinte.

 
 
Clique abaixo para ver a foto na intergra
Clique abaixo para ver a foto na intergra

 

 
Paparazzi - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site.
Desenvolvido por